Crioterapia: técnica colabora com a saúde emocional de pacientes oncológicos evitando a queda capilar

Crioterapia: técnica colabora com a saúde emocional de pacientes oncológicos evitando a queda capilar

Método que pode minimizar efeito colateral em cerca de 40% a 60% vem se mostrando uma importante terapia para fortalecimento da autoestima e do bem-estar de quem enfrenta o câncer

O anúncio de um diagnóstico de câncer costuma vir acompanhado por um misto de emoções e uma série de pré-conceitos sobre a doença e as condutas terapêuticas. Mesmo com um forte trabalho de conscientização, por meio de campanhas educativas sobre prevenção, tipos de tumores, sintomas e tratamentos, o tema ainda é cercado por dúvidas e, muitas vezes, associações nem sempre tão precisas.

Dr. Diocésio Andrade, oncologista da Oncoclínicas Ribeirão Preto. (Divulgação)

Uma das mais corriqueiras está relacionada à queda de cabelo como efeito colateral. “É importante salientar que nem todos os tratamentos de câncer levam à essa condição. O processo acontece, normalmente, com o uso de certos quimioterápicos que, ao atacarem as células cancerígenas, afetam outras células de desenvolvimento rápido no organismo do paciente, mesmo sadias. Portanto, nesses casos, a depender do medicamento e da dosagem, a quimioterapia pode causar a perda temporária de todos os pelos do corpo, não apenas no couro cabeludo”, explica o Dr. Diocésio Andrade, oncologista da Oncoclínicas Ribeirão Preto.

A condição é um desafio a mais para o aspecto emocional e para a autoestima dos pacientes, especialmente para as mulheres. Foi na tentativa de amenizar esse impacto que surgiu a técnica de crioterapia capilar. O método de resfriamento do couro cabeludo reduz o fluxo sanguíneo por meio da contração dos vasos na área. Com isso, a quantidade de quimioterapia que alcança as células dos folículos capilares é menor, minimizando a queda em uma média de 40% a 60%.

Diagnosticada com câncer de mama em outubro de 2023, aos 39 anos, a bancária Juliana Grando Morais optou por utilizar o recurso. “Quando soube da crioterapia, confesso que não criei muita expectativa, pois, naquele momento, estava focava em me curar e entendia que a perda dos cabelos era uma consequência. Mas, após a primeira sessão, fiquei confiante. Finalizei minhas sessões de quimioterapia com pouca perda de cabelo e de forma linear. Minha aparência física é a mesma de quando iniciei o tratamento e minha autoestima se manteve firme”, relata.

A empresária Tatiana Soares Tolentino também passou por essa experiência. “Eu já conhecia a crioterapia, pois uma amiga que teve câncer em São Paulo usou e foi super eficaz. Li bastante a respeito e vi que muitas pessoas desistiam do uso da touca por não suportar o incômodo da baixa temperatura. A minha experiência foi tranquila. Os cabelos caíram pouco, cerca de 40%. Achei o método super válido e usaria a touca de novo caso precisasse. Mesmo com um bom resultado, depois de um tempo, optei por raspar o cabelo com a máquina, bem baixinho, e me sinto bem assim”, conta.

Crioterapia na prática

O paciente veste a touca, que resfria o couro cabeludo a uma temperatura entre 18°C e 22°C, cerca de trinta minutos antes da sessão de quimioterapia. O indivíduo deve permanecer com ela por cerca de uma hora e meia após o término da infusão, dependendo do protocolo adotado, e seguir uma rotina de cuidados.

Vale a pena reforçar que a técnica não é recomendada para todos os casos. Pacientes em tratamento de tumores hematológicos, como leucemias e linfomas, tumores cerebrais e com implantes ou alergia no couro cabeludo, por exemplo, têm contraindicação ao uso. “O recurso traz resultados interessantes, desde que indicado e aplicado corretamente. Por isso, a orientação e o acompanhamento de profissionais especializados são fundamentais”, ressalta o Dr. Diocésio Andrade.

Sobre a Oncoclínicas&Co

A Oncoclínicas&Co. – maior grupo dedicado ao tratamento do câncer na América Latina – tem um modelo especializado e inovador focado em toda a jornada do tratamento oncológico, aliando eficiência operacional, atendimento humanizado e especialização, por meio de um corpo clínico composto por mais de 2.700 médicos especialistas com ênfase em oncologia. Com a missão de democratizar o tratamento oncológico no país, oferece um sistema completo de atuação composto por clínicas ambulatoriais integradas a cancer centers de alta complexidade. Atualmente possui 143 unidades em 38 cidades brasileiras, permitindo acesso ao tratamento oncológico em todas as regiões que atua, com padrão de qualidade dos melhores centros de referência mundiais no tratamento do câncer.

Com tecnologia, medicina de precisão e genômica, a Oncoclínicas traz resultados efetivos e acesso ao tratamento oncológico, realizando aproximadamente 635 mil tratamentos nos últimos 12 meses. É parceira exclusiva no Brasil do Dana-Farber Cancer Institute, afiliado à Faculdade de Medicina de Harvard, um dos mais reconhecidos centros de pesquisa e tratamento de câncer no mundo. Possui a Boston Lighthouse Innovation, empresa especializada em bioinformática, sediada em Cambridge, Estados Unidos, e participação societária na MedSir, empresa espanhola dedicada ao desenvolvimento e gestão de ensaios clínicos para pesquisas independentes sobre o câncer. A companhia também desenvolve projetos em colaboração com o Weizmann Institute of Science, em Israel, uma das mais prestigiadas instituições multidisciplinares de ciência e de pesquisa do mundo, tendo Bruno Ferrari, fundador e CEO da Oncoclínicas, como membro de seu board internacional. Além disso, a Oncoclínicas passou a integrar a carteira do IDIVERSA, índice recém lançado pela B3, a bolsa de valores do Brasil, que destaca o desempenho de empresas comprometidas com a diversidade de gênero e raça.

Conheça nossos Parceiros

Mais Notícias
Pular para o conteúdo