Venda de livros em 2022 aumentou no Brasil em comparação ao ano anterior

Venda de livros em 2022 aumentou no Brasil em comparação ao ano anterior

Pedagoga dá dicas de como criar ambiente estimulante à leitura para crianças e adolescentes

O Sindicato Nacional dos Editores de Livros (SNEL) divulgou dados positivos referentes ao faturamento e volume de livros vendidos no Brasil. De janeiro até o início de dezembro de 2022 foram vendidos 52,84 milhões de livros, uma variação positiva em 2,64% em comparação ao ano anterior. O faturamento de 2022 totalizou R$ 2,27 bilhões, sendo também superior a 2021 (R$ 2,11 bilhões).

Se o número de vendas está crescendo, pode ser sinal de que os leitores estão retomando o costume de ler ou que mais gente vem tendo acesso à leitura. A pedagoga Carollini Graciani explica que há diversas formas de estimular este hábito, especialmente nos públicos infantil e adolescente.

– Muita gente pensa que o incentivo à leitura deve começar quando uma criança inicia a alfabetização, mas na verdade isso pode começar quando o bebê está na barriga da mãe. Enquanto ela faz um carinho na barriga, vai lendo uma história para criar mais conexão com seu filho, diz Carollini.

A professora do curso de Pedagogia da Estácio acrescenta que, após o nascimento do bebê, essa dinâmica deve ter continuidade com livros específicos para esta fase, que são cheios de estímulos sensoriais, cores e texturas. O mercado oferece diversas possibilidades para esta faixa etária, como livros de plástico que podem ser levados ao banho ou de tecido, promovendo a experimentação literária desde cedo.

– O mais importante no processo de incentivo à leitura é a família ler junto com a criança e, claro, dar o exemplo. Uma criança que vê um pai ou uma mãe lendo um jornal, um livro ou uma revista, vai achar interessante e querer copiá-los, pois eles seguem o exemplo. Não adianta só dizer para ela que ela tem que gostar ou que tem que ler. E os livros são ótimos também para as famílias iniciarem assuntos que desejam conversar com os filhos, como preconceito e bullying.

Ter um espaço especial na estante ou uma caixa de guardar livros onde a criança possa acessar na hora que quiser são algumas dicas de Carollini para o incentivo ao gosto pelas obras literárias. E criar um ambiente propício para os momentos de leitura de crianças em casa não é difícil, segundo a pedagoga: pode ser na mesinha de estudos, ou estender um tapete no chão e espalhar almofadas, desde que seja o mais confortável possível para os pequenos leitores.

– E podemos mostrar para as crianças que ler fora de casa também é possível. Depois de um passeio no shopping, sentar-se com na praça de alimentação para uma leitura rápida e divertida; ou ler em um parque ou uma área de lazer pode ser muito divertido.

Segundo a professora de Pedagogia da Estácio, para os adolescentes também é importante ter um cantinho aconchegante para a leitura e, principalmente, a presença dos pais, pois nessa idade muitos jovens não conseguem externalizar a saudade que sentem da família no dia a dia, criando assim um momento de conexão.

– Além de estimular a imaginação, a leitura pode ser um presente. É legal nesta idade tirar um dia para acompanhar o filho em uma livraria e escolher um livro para lerem juntos em casa. Nesta fase, a leitura vai ajudar muito no estímulo à interpretação de texto, habilidade que esse indivíduo precisará para a vida inteira, destaca Carollini.

Outra dica da pedagoga para as famílias com adolescentes é incentivá-los a adquirir livros, que muitas vezes têm custo baixo, e que abordam temas importantes para esta idade, como depressão e ansiedade.

– Os adolescentes não sabem entender alguns sentimentos típicos desta faixa etária e muitas vezes não sabem como abordá-los em conversas com os pais. Este tipo de livro pode ajudá-los a trazer informações para esta compreensão e estimular o diálogo sobre o assunto, diz a professora da Estácio.

Leitura acalma o corpo para dormir

A leitura antes de dormir pode ajudar a preparar o corpo para o sono, pois esse hábito traz sensações de bem-estar e relaxamento.

– Tanto para crianças, como adolescente e adultos, indico o momento antes de dormir como o mais interessante para a leitura, e que se torna ainda mais legal se ela for feita em família, sugere a pedagoga.

O uso da tecnologia

Em tempos tão digitais, Carollini Graciani defende que na infância a iniciação à leitura seja apenas com livros físicos, e só depois, quando maiores, o indivíduo seja apresentado à leitura em plataformas digitais.

– O importante é mostrar para estes pequenos leitores que o livro é um objeto lúdico, rico, que vai trazer diversão e conhecimento. É uma fonte de conhecimento que nos ajuda a ter mais clareza sobre a vida. É ideal que a criança e o adolescente convivam com livros físicos, mas não podemos descartar a tecnologia no hábito de leitura na vida dos adultos, pois a tecnologia existe para nos ajudar, destaca a professora da Estácio.

Conheça nossos Parceiros

Mais Notícias
Pular para o conteúdo