Projeto Guerra e Paz reúne seis artistas para celebrar os 120 anos de Portinari no RibeirãoShopping

Projeto Guerra e Paz reúne seis artistas para celebrar os 120 anos de Portinari no RibeirãoShopping

Exposição tem início no dia 1º de agosto e segue até o dia 10, no Jardim Suspenso do empreendimento. Depois, irá para o espaço da FIl, no centro de Ribeirão Preto

O RibeirãoShopping inaugurou nesta terça-feira, 1º de agosto, uma exposição que irá celebrar os 120 anos de Portinari. Intitulado de projeto Guerra e Paz, com a participação de seis artistas, a mostra faz parte da atividade prévia da 22ª FIL – Feira Internacional do Livro. A ideia de trabalhar com a obra de Portinari surgiu do tema desta edição da festa literária: “Entre os extremos, as dualidades – a literatura como elo” e da intenção de fazer parte das festividades dos 120 anos de nascimento do artista de Brodowski. A atividade cultural segue até o dia 10 de agosto, no Jardim Suspenso do RibeirãoShopping

Convidados em geral, imprensa, artistas, intelectuais e autoridades marcaram presença no café da manhã de lançamento do projeto, como as jornalistas Adriana Silva e Dulce Neves – em nome da diretoria da Fundação do Livro e Leitura; Angélica Fabbri, coordenadora do Museu Casa de Portinari; Eliane Ratier, presidente da Alarp (Academia de Letras e Artes de Ribeirão Preto); o secretário de Cultura e Turismo, Pedro Leão; Marcos Botelho, superintendente do RibeirãoShopping; Maira Lisa Ferrari, gerente de marketing do RibeirãoShopping e o prefeito municipal, Duarte Nogueira. O educador Tino Nascimento apresentou no local uma interação artística sobre o livro “Candinho, um menino que gostava muito de brincar e desenhar”, de autoria de Angélica Fabbri.

“Para nós, receber uma exposição que comemora os 120 anos de Portinari, um dos mais importantes artistas plásticos brasileiros, é uma grande honra. O RibeirãoShopping busca atrações culturais que valorizam o conhecimento e a importância da arte em nossas vidas. Além disso, ficamos lisonjeados em ser palco da atividade prévia da Feira Internacional do Livro, de 2023, o evento cultural mais expressivo da nossa região”, acrescenta Maira Lisa Ferrari, gerente de marketing do RibeirãoShopping.

Segundo a curadora da FIL, Adriana Silva, não foi uma tarefa fácil definir os seis artistas a serem convidados. “Muitas variáveis conduziram a escolha. Era desejo garantir a presença de gerações distintas e estilos diferentes, mas com afinidade em relação a obra de Candido Portinari. Ao final, três homens e três mulheres foram convidados para produzirem uma releitura da obra Paz”.

Em parceria com o Museu Casa de Portinari serão expostas a reprodução das obras Guerra e Paz para apreciação de quem for visitar os artistas no período em que estiverem pintando, ao vivo, suas obras originais. A abertura da atividade será no dia 1º de agosto com a presença da museóloga Angélica Fabbri, diretora executiva da ACAM Portinari e gestora do Museu Casa de Portinari em Brodowski-SP.

Ao longo da semana, o espaço receberá estudantes de várias escolas para bate-papo com os artistas, contações de histórias com o educador Tino Nascimento e mediações de leitura do livro “Candinho, um menino que gostava muito de brincar e desenhar”, de autoria de Angélica Fabbri.

Depois de concluída as obras dos artistas convidados, as mesmas serão levadas para o espaço da FIL, no centro da cidade e ficarão expostas até o dia 20 de agosto.

Sobre os seis artistas

Clara Calchick pinta desde 1983. Ela participou de 90 Salões de Arte Nacionais – coletivos e individuais. No exterior possui obras na Galerie D’Art, em Zurique e na Galerie Menorca’s, na Espanha. Nascida em Uberlândia, Clara veio para Ribeirão Preto aos quatro anos. Estudou piano e canto lírico, destacando-se como mezzo-soprano especializada em música clássica. Seus primeiros passos artísticos foram guiados por uma influência inusitada: a escola japonesa onde sua madrinha lecionava. Lá mergulhou no mundo da pintura figurativa japonesa, cujo traço peculiar a inspirou a explorar a liberdade do abstrato. Entregou-se ao desafio de expressar suas emoções e ideias de forma abstrata, decisão que a levou a se dedicar intensamente à técnica para tornar-se referência no abstracionismo.

Carlos Palladini nasceu em Mococa (SP), em 1952, onde iniciou seus estudos em desenho. Em 1971, transferiu-se para o Rio de Janeiro para estudar na Escola de Belas Artes (UFRJ) onde fez o curso de Arquitetura. Uma década depois retornou à sua cidade natal para trabalhar como arquiteto e continuou dedicando-se à pintura. Palladini realizou exposições individuais e participou de várias mostras coletivas. Após cursar mestrado na FAUUSP, mudou-se para Ribeirão Preto, onde vive atualmente. Sua última exposição individual de pinturas foi no ano passado na Galeria Tóia Fonseca. Sua ligação com o desenho é anterior à arquitetura, vem da infância. Sua trajetória o insere na linhagem dos arquitetos-artistas que utilizam o conhecimento técnico do desenho para as artes plásticas a partir da arquitetura. Segundo arquiteto Mauro Ferreira, “o trabalho de Palladini designa seu lugar no mundo, como artista e arquiteto ao mesmo tempo: são as mulheres de Mococa, geometrizadas como a arquitetura, suas curvas enquadradas pelo rigor necessário à arquitetura, as pinceladas vigorosas em grandes manchas de um painel colorido que, vistas à distância, imprimem racionalidade ao plano da composição

Joyce de Sousa, conhecida como Joy é muralista e ilustradora. Ela atua como artista urbana desde 2002. Sua identidade visual se baseia no retrato feminino através de uma estética que representa o empoderamento e a força da mulher por meio de uma paleta de cores vibrante. Participou de Festivais de Graffiti em São Paulo, Minas Gerais, Rio de Janeiro, Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul. Colaborou para a criação do coletivo “Monas”, em Ribeirão Preto, que valoriza a cena feminina na arte urbana. Recentemente estava em Pelotas (RS) e organizou o Festival Elas na Rua, que é o primeiro Festival só de Mulheres no Rio Grande do Sul. Graduada em Artes Plásticas, trabalhou como arte-educadora em escolas durante 11 anos, além de projetos sociais dentro da Fundação Casa. Atualmente dedica-se com exclusividade ao seu trabalho como artista urbana e fotógrafa. Seu principal objetivo é levar sua arte para todo o Brasil, apoiando e incentivando projetos que valorizem as mulheres na arte.

Waldomiro Sant’Anna cursou a Faculdade de Belas Artes de São Paulo na década de 1970. Ele fez diversos cursos de especialização e frequentou atelier de vários artistas durante a sua formação. Como professor de artes em escolas de nível médio e superior na Universidade Estadual de Londrina e na Unaerp (Universidade de Ribeirão Preto), influenciou uma geração.

Sant’Anna dedica-se a pintura há mais de 40 anos, tendo participado de inúmeros Salões de Arte, premiado em vários.  Realizou exposições coletivas e individuais no Brasil, na França, na Espanha, na China e em Portugal. Ele possui quadros em acervos de vários países sendo representado por galerias do Brasil e da Europa. O tema de seu trabalho é o homem e o seu dia a dia, suas paixões, suas angústias, suas alegrias, seus sonhos. Possui um estilo que pode ser classificado como figurativo moderno ou expressionismo lírico como concluiu Pedro Caminada Manuel Gismondi. Segundo o professor Jaime Pinsky, Waldomiro Sant’Anna, ao desenhar mulheres lembra Di Cavalcanti; seus garotos em traços parecem citações de Portinari, um sonho surreal a Chagal, e uma geometria picassiana. “Contudo, ele é único, especial”. Waldomiro das festas, dos músicos, das mulatas, das crianças, das brincadeiras de rua, da sensualidade extrema. “Waldomiro é modesto. Sua obra não é”.

Anna Ferreira é uma operária da arte, como ela mesma gosta de afirmar. Possui formação em Pedagogia, tem especializações nas áreas de psicopedagogia, ensino lúdico e teatro. Mãe do Pedro e de origem cigana, é professora da rede municipal de Brodowski e dedica-se às artes desde a infância. Iniciou atuando como estátua viva e performer há 25 anos. Ela e sua irmã, Patrícia, foram as primeiras estátuas vivas mulheres a trabalharem no calçadão de Ribeirão Preto. Lembra que, na época, eram chamadas de ” bonecas da praça XV”.  Anna fez teatro no Ribeirão em Cena e é membro da Casa do Poeta e do Escritor de Ribeirão Preto. Essa sua mistura diversa, com tantas origens, estão presentes em suas obras. A jovem de Brodowski colabora artisticamente com o museu Casa de Portinari há mais de 14 anos. Foi ali, na esplanada do museu que Anna apaixonou-se pelas artes visuais. Ela encontrou na pintura, um meio para unir diferentes expressões artísticas. 

Miguel Ângelo Barbosa, natural de Miguelópolis (SP), é artista plástico e professor de Educação Artística formado na década de 1970, especialista em Desenho e História da Arte. Vivendo em Ribeirão Preto há décadas, ele mantém um movimentado ateliê, onde ensina e produz sua obra já reconhecida pela maturidade e força expressiva, fazendo parte do acervo de vários museus e, ao mesmo tempo, mantém intensa atividade como agitador cultural preocupado com a ação e reflexão coletivas em relação às artes visuais. Com estilo geométrico aproximando as estéticas Cubista e Abstracionista ele possui ampla experiência em painéis e murais artísticos. Segundo Pedro Manuel-Gismondi, já em 1978, as variações na pintura de Miguel Ângelo “não nascem de uma experiência externa e dispersiva, mas surgem dos desvios naturais num artista que persegue o encontro do mundo com a própria subjetividade. Daí decorrer que quanto mais subjetivos melhores são os quadros de Miguel.”

Sobre a FIL

A 22ª edição da FIL – Feira Internacional do Livro de Ribeirão Preto acontece de 12 a 20 de agosto, com abertura oficial no dia 11 na Sala Principal do Theatro Pedro II, a partir das 19h. Traz como tema central a proposição “Entre os extremos, as dualidades: a literatura como elo”. O evento acontecerá de forma presencial em 16 locais simultâneos e abertos ao público (a maioria no centro da cidade), além de dois espaços educacionais para atividades exclusivas e pré-agendadas. 

Para essa edição, os homenageados da FIL são: Gilberto Gil (autor), Gilberto Dimenstein (autor educação), Luiza Romão (autora local), Stella Maris Rezende (autora infantojuvenil), Danilo Santos de Miranda (patrono) e Madelaine Pires (professora).

Todas as atividades são gratuitas e abertas à população, como salões de ideias, conferências, palestras, mesas-redondas, oficinas, shows, espetáculos infantis, performances, contações de histórias, saraus, projetos educacionais, entre outras.

A programação completa da 22ª FIL pode ser conferida pelo link: https://www.fundacaodolivroeleiturarp.com/_files/ugd/bf56d6_f77ef2f80f0140dea6174f3eb70b1284.pdf

Mais informações:

www.fundacaodolivroeleiturarp.com

Instagram: @fundacaolivrorp

Facebook: @fundacaodolivroeleiturarp

YouTube: /FeiraDoLivroRibeirao

Twitter: @FundacaoLivroRP

Realização da FIL

Ministério da Cultura, Governo do Estado de São Paulo, por meio da Secretaria de Cultura, Economia e Indústria Criativas, Prefeitura Municipal de Ribeirão Preto, Usina Alta Mogiana, GS Inima Ambient e Fundação do Livro e Leitura apresentam a 22ª FIL – Feira Internacional do Livro de Ribeirão Preto.

Serviço:
Exposição do Projeto Guerra e Paz – 120 anos de Portinari

Data: 1º a 10 de agosto de 2023
Local: Jardim Suspenso do RibeirãoShopping

Horário de visitação: segunda a sábado: das 10h às 22h e aos domingos e feriados: das 14h às 20h
Entrada Gratuita

Conheça nossos Parceiros

Mais Notícias
Pular para o conteúdo