O combate ao cyberbullying com socioemocional na escola

O combate ao cyberbullying com socioemocional na escola

Para especialista, cidadania deve ser transposta para as relações digitais e socioemocional nas escolas é ferramenta cada vez mais necessária

O ambiente escolar é um espaço no qual se pode cultivar relações saudáveis de aprendizado e amizade. Porém, sempre foi repleto de armadilhas para a saúde mental, especialmente nas fases de mudança da infância para adolescência. Da pressão dos estudos ao bullying dos colegas ou até a imersão em realidades completamente novas, como a da vida virtual, é preciso estar atento ao que afeta os filhos e a educação socioemocional na escola é um aliado nessas horas. 

“Parece simples constatar que a vida digital é uma continuação da vida real, mas muitas vezes a cidadania e as boas práticas de convívio não são levadas para esse espaço”, afirma a diretora Socioemocional do Colégio Novo de Ribeirão Preto nas unidades Alto da Boa Vista e Alvorada. 

A pandemia deixou algumas marcas invisíveis nos jovens, como fobia social, síndrome do pânico, dependência e supervalorização da vida digital. O ambiente virtual de aulas reforçou o impacto da cultura digital, dada por meio de grupos de WhatsApp e presença nas redes sociais da moda, o que no regresso ao presencial a escola terá de responder com uma nova postura. 

A psicoterapeuta aponta que o digital ganhou grande relevância no cotidiano, mas o anonimato ou o comportamento de grupo muitas vezes levam os usuários a não pensarem antes de escrever, nem sobre o efeito da violência verbal que causam ao outro. “No caso de adolescentes, que ainda estão firmando sua identidade, uma mensagem no TikTok pode acabar com a autoestima, imagine um viral iniciado pelos próprios colegas, que deveriam ser uma base de apoio desse jovem?”, diz Capuani.

O relacionamento virtual, repleto de filtros e informações sem comprovação científicada dadas por influencers, somam-se aos quadros de depressão, estresse, ansiedade, transtornos e abuso de drogas. “É preciso alimentar desde a infância o entendimento das emoções, o que as provoca e como lidar com elas. A família também é importante, pois a validação dos sentimentos do outro começa em casa e se estende para escola, e vice e versa”, conta a diretora.

O bullying digital é fator de risco, inclusive para o suicídio de jovens por levar a emoções como vergonha, insuficiência e desilusões amorosas. Preconceito em casa com esses temas atrapalha, pois faz o jovem se fechar e ficar ainda mais inseguro em perguntar ou compartilhar sua dor. 

“A porta tem que estar sempre aberta e o sentimento do outro precisa ser validado, sem julgamento. Tem coisas que eles ainda não sabem responder, e tudo bem. Mas a relação de confiança vai sendo estabelecida”, explica Capuani.

Os pais não precisam entender todas as tecnologias que os filhos usam, mas precisam saber o peso que elas têm na vida deles e nunca minimizar esse valor para poderem de fato se conectar com eles. 

“Ninguém gosta de ser criticado o tempo todo, de estar errado o tempo todo. Há formas de falar que não fazem a pessoa se sentir menor ou menos importante, e isso impacta na valorização que ela tem da própria vida”, diz Capuani.

Ao mesmo tempo, os alunos de hoje precisam de uma nova conduta social para essa vida digital que emerge e no qual a opinião negativa de desconhecidos afeta profundamente, inclusive para cobrar dessas mídias um controle maior dos ataques virtuais. “A cidadania digital, a causa e consequência, tudo isso precisa permear o ensino das crianças de hoje para evitar o sofrimento silencioso que vem cada vez mais pelo cyberbullying”, conclui a diretora.

Dados de 2019 do MS apontam que a cada 46 minutos uma pessoa tira a própria vida – a maioria é homem com idade entre 10 e 29 anos. Cerca de 96,8% desses casos de suicídio entre jovens estão ligados a algum transtorno mental, mas a notícia boa é que são um problema de saúde tratável – a OMS afirma que 90% dos suicídios podem ser evitados.

Colégio Novo

O Colégio Novo é uma escola de Ribeirão Preto com foco em inteligência socioemocional, aprendizagem significativa e bilinguismo – atende alunos da Educação Infantil ao Ensino Médio e Pré-Vestibular. A unidade Alto da Boa Vista é a primeira escola de bilíngue da cidade que segue todas as normas do parecer CNE/CEB nº 2/2020 do Ministério da Educação – incluindo oferecer em todas as séries e turnos parte da carga horária em inglês (matérias da grade normal, como história e geografia, não somente aulas de inglês) e parte em português. A Unidade Alvorada, no Sumarezinho, possui também socioemocional e programa bilíngue no contraturno, além de um espaço verde de 5 mil m2 para alunos do Berçário aos primeiros anos do Ensino Fundamental.

Conheça nossos Parceiros

Mais Notícias
Pular para o conteúdo