Melanose solar: indícios acima dos 50 anos

Melanose solar: indícios acima dos 50 anos

Flávia Villela, médica especialista em Dermatologia, fala sobre melanose solar e os impactos para a pele, além da prevenção e tratamento da lesão de pele
A melanose é um fotodano, e o filtro solar é parte essencial do tratamento e prevenção

Sabe aquela mancha que aparece de repente em alguma parte do corpo, como no rosto, colo e braços? Pois bem, pode ser uma melanose solar, causada por exposição ao sol. Mas calma, ela não indica riscos à saúde, mas escurece a pele, deixando a região em tons castanhos.

Essa lesão benigna surge em áreas expostas ao sol, de maneira crônica, onde a radiação ultravioleta atinge o melanócito, que é a célula responsável pela produção de melanina – o pigmento que dá cor à pele, consequentemente, induzindo a produção de manchas.

A melanose solar pode se apresentar em diferentes tons de castanho na região que recebeu sol excessivo, sem proteção e a longo prazo, como por exemplo: rosto, colo, dorso das mãos e braços, além dos ombros.

Dra. Flávia Villela explica que a lesão é mais característica em pessoas de pele clara, se manifestando a partir dos 50 anos, justamente pelo acúmulo de hábitos negativos quando o assunto é exposição solar e que é diferente de melasma, uma condição multifatorial com causas ligadas à predisposição genética, fatores hormonais, etc.

‘’A melanose não demonstra riscos à saúde e muito menos indica a presença de câncer de pele ou outras doenças. Já o melasma é classificado como uma doença crônica que piora com o sol. Nos dois casos tem relação com o sol e é indispensável o uso de filtro solar e sua reposição. Isso vale para os momentos de praia ou piscina, mas para o sol do dia a dia também’’, diz.

A médica ainda alerta que é preciso evitar o período em que o sol está mais quente, das 10 às 16 horas, e que tratamentos dermatológicos de consultório, como o laser de Co2 fracionado, responsável por eliminar as manchas, além de renovar as camadas da pele e o peeling químico com cauterização, que consiste na aplicação de ácidos para clarear a pele e resolver distúrbios estéticos, ajudam a tratar a lesão.

Segundo ela, a melanose é um fotodano (dano solar) e o filtro solar é parte essencial do tratamento e prevenção. A especialista ainda recomenda o uso de clareadores noturnos para prolongar os cuidados em casa, além da importância de consultas preventivas a fim de descartar o diagnóstico.

‘’Uma queixa frequente no consultório é a coloração de pele alterada devido ao surgimento das manchas escuras em todo rosto e corpo, que é resultado da exposição solar, sem proteção durante anos e anos, principalmente em peles maduras. Esse efeito cumulativo se distancia da jovialidade, saúde e qualidade da pele, e inclusive, deve ser monitorado para controlar o quadro’’, finaliza Flávia Villela.

Conheça nossos Parceiros

Mais Notícias
Montôt lança estúdio conceito de arquitetura corporativa em Ribeirão Preto

Novo espaço inaugurado no Alto da Boa Vista oferece uma abordagem inovadora, transformando o showroom em um ambiente de trabalho e experimentação que integra experiência e funcionalidade. Com soluções utilitárias e parcerias estratégicas com marcas brasileiras como a Legg (mobiliários) e a Everlight (iluminação), estúdio revoluciona o conceito de design de interiores e arquitetura corporativa na cidade.

Pular para o conteúdo