Já pensou em ser Doador de Medula Óssea?

Já pensou em ser Doador de Medula Óssea?

O primeiro transplante foi executado na década de 1950 e, atualmente, milhões de pessoas receberam células-tronco do sangue para diversos tratamentos de cânceres, além de outras doenças sanguíneas e da medula

A associação global de registros de células-tronco do sangue – World Marrow Donor Association (WMDA) – criou o Dia Mundial do Doador de Medula Óssea. A data, que tem o objetivo de conscientizar os brasileiros sobre a importância da doação de medula óssea, marca o mês de conscientização, sendo celebrada anualmente no dia 17. Muitos não sabem, mas ao fazer uma doação é possível ajudar diversas pessoas/pacientes das mais variadas doenças, como leucemia, linfomas, mieloma múltiplo, aplasia de medula, entre outras imunodeficiências.  

“Precisamos aumentar o número de doadores brasileiros, pois só assim também aumentaremos as chances de encontrar medulas compatíveis. Um outro fator importante é a lista de espera pelo doador ideal, que pode demorar meses e isso é de extrema relevância para o sucesso da cura dos pacientes que aguardam por uma doação”, afirma o hematologista e professor do IDOMED – Instituto de Educação Médica, Vitor Paviani. 

Para mudar esse quadro, é preciso estimular a doação. Paviani diz que o ideal é atender quatro quesitos principais para ser um voluntário: ter entre 18 e 35 anos; estar em bom estado geral de saúde; não ter doença infecciosa ou incapacitante e não apresentar doença neoplásica (câncer), hematológica (do sangue) ou do sistema imunológico. Após o registro, o voluntário retira sangue para análise e os dados são mantidos em um sistema nacional consultado sempre que há um novo paciente com necessidade de tecidos. 

Segundo o especialista, o transplante consiste na substituição de uma medula óssea doente, ou deficitária, por células normais da medula óssea. Essa ação tenta reconstituir uma nova medula saudável. As células-tronco hematopoiéticas, responsáveis pela produção do sangue (glóbulos vermelhos, glóbulos brancos e plaquetas), são as células substituídas no transplante. Elas podem ser coletadas por meio da aférese (quando acontece a separação dos componentes do sangue, permitindo o retorno ao organismo do doador dos elementos não utilizados) e no sangue do cordão umbilical, quando coletadas após o nascimento do bebê. Por conta destes procedimentos, atualmente, o termo transplante de medula óssea tem sido substituído por transplante de células-tronco hematopoiéticas. 

Como se tornar um doador de medula óssea? 

Os interessados em fazer suas doações devem procurar o hemocentro do seu estado, agendando uma consulta de esclarecimento ou palestra sobre doação de medula óssea; o voluntário irá assinar um termo de consentimento livre e esclarecido (TCLE) e preencher uma ficha com informações pessoais. Será retirado do voluntário, uma pequena quantidade de sangue (10ml) e é necessário apresentar o documento de identidade; o sangue será analisado por exame de histocompatibilidade (HLA), que nada mais é do que um teste de laboratório para identificar suas características genéticas que vão ser cruzadas com os dados de pacientes que necessitam de transplantes para determinar a compatibilidade. 

O Registro Nacional de Doadores Voluntários de Medula Óssea (REDOME) incluirá os dados pessoais e o tipo de HLA e quando houver um paciente com uma possível compatibilidade, o doador será consultado para decidir quanto o transplante. O REDOME alerta que é sempre importante manter os dados cadastrais atualizados. Após a aceitação por parte do voluntário, serão necessários outros exames para confirmar a compatibilidade e uma avaliação clínica de saúde. O doador poderá ser considerado apto e realizar a doação após todas as etapas concluídas. 

Transplante de sucesso 

A pequena Isabela Feckinghaus, que irá completar 7 anos em 20 de dezembro, felizmente, conseguiu um doador 100% compatível. Atualmente, ela brinca, vai a escola normalmente e seus pais afirmam que o pior já passou. Ela é filha da médica Carolina Monteguti Feckinghaus e foi diagnosticada com uma doença rara, a linfohistiocitose hemofagocitica.

Durante a pandemia, em junho de 2020 ela teve febre e várias lesões pelo corpo. Após várias consultas e exames chegamos ao diagnóstico da doença, uma síndrome de hiperativação imunológica. “Em palavras simples: na presença de uma infecção, o sistema imunológico dela respondia de forma exagerada, o que provocava danos a vários órgãos: fígado, coração, baço, medula óssea”, diz a mãe de Isa.

Graças ao transplante de medula óssea, a saúde de Isabela mudou completamente, e esse procedimento só foi possível através da doação voluntária de medula óssea de uma pessoa cadastrada previamente.  “Foi através do sim dessa pessoa que a Isa pôde ter uma vida normal de criança novamente: brincar,  poder sair sem restrições, frequentar a escola, ir na igreja, dançar ballet. A doação dessa pessoa não salvou somente a Isa, mas nossa família toda, que será sempre grata” reforça.

Conheça nossos Parceiros

Mais Notícias
Montôt lança estúdio conceito de arquitetura corporativa em Ribeirão Preto

Novo espaço inaugurado no Alto da Boa Vista oferece uma abordagem inovadora, transformando o showroom em um ambiente de trabalho e experimentação que integra experiência e funcionalidade. Com soluções utilitárias e parcerias estratégicas com marcas brasileiras como a Legg (mobiliários) e a Everlight (iluminação), estúdio revoluciona o conceito de design de interiores e arquitetura corporativa na cidade.

Pular para o conteúdo