Hereditariedade x câncer: o que é preciso saber?

Hereditariedade x câncer: o que é preciso saber?

Testes genéticos podem indicar uma maior predisposição ao desenvolvimento da doença, contribuindo para avanços importantes em termos de prevenção, detecção precoce e tratamentos

De acordo com dados do Instituto Nacional de Câncer (Inca), são esperados 704 mil casos novos de câncer no Brasil para cada ano do triênio 2023-2025, com ênfase para as regiões sul e sudeste, que concentram cerca de 70% da incidência. Considerada uma das maiores causas de morte no mundo e um dos grandes desafios de saúde pública, a doença surge como consequência de alterações cumulativas no material genético (DNA) de células normais, que sofrem uma série de transformações até se tornarem malignas. 
 

Muitas pessoas, no entanto, confundem essa origem genética do câncer com a questão da hereditariedade, conforme alerta o Dr. Carlos Fruet, oncologista da Oncoclínicas Ribeirão Preto. 
 

“Pesquisas recentes têm trabalhado bastante no sentido de proporcionar ganhos importantes para os pacientes em termos de prevenção, detecção precoce e tratamento do câncer. O campo da hereditariedade é um dos que mais se destaca atualmente e, aqui em Ribeirão Preto, já temos a expertise para atuar na área. No entanto, é importante salientar que, embora todos os cânceres sejam causados por alterações nos genes, apenas 10 a 15%% são hereditários, ou seja, causados por mutações herdadas de pai ou mãe. A maioria são casos associados à     s mudanças provocadas no meio ambiente, os hábitos – como o uso de álcool, cigarros e alimentação desequilibrada, sedentarismo – entre outros”, explica o especialista. 
 

Aconselhamento e testes genéticos  
 

Existem alguns sinais que podem indicar maior possibilidade de hereditariedade, como pessoas que possuem um histórico familiar com uma incidência muito expressiva de um mesmo tipo de câncer, a manifestação de mais de um tipo de neoplasia na mesma pessoa e casos de câncer em idade precoce. Diante desses quadros, o aconselhamento genético costuma ser indicado. Munido das informações iniciais, o especialista pode ou não solicitar os testes.
 

“Os exames analisam o DNA a partir de amostras de sangue ou saliva, em busca de mutações que aumentam o risco para determinados tipos de câncer. Saber que existe uma predisposição à presença de alterações genéticas hereditárias nos ajuda a indicarmos protocolos personalizados de rastreio e até mesmo cirurgias profiláticas”, comenta Carlos Fruet. 
 

Foi o que aconteceu com a atriz Angelina Jolie, que, em 2013, optou por retirar as mamas e os ovários após receber um resultado genético positivo para a mutação em BRCA1. A medida foi preventiva e teve como objetivo reduzir significativamente a probabilidade de ter a doença. 
 

As alterações no BRCA1 e BRCA2 estão mais intimamente associadas a um risco aumentado para câncer de mama, ovário, próstata e pâncreas. Entretanto, outras síndromes neoplásicas também podem elevar os riscos do desenvolvimento de câncer. O tumor colorretal hereditário sem polipose, por exemplo, é uma síndrome hereditária que pode aumentar o risco de neoplasias como cólon (principalmente antes dos 50 anos), ovário, endométrio, estômago, intestino delgado e via biliar. Já a síndrome de Cowden pode colaborar com o desenvolvimento de câncer de mama, tireóide (não medular) e diferentes lesões na pele. A Síndrome de Peutz-Jegher com tumores de colon, mama e pâncreas, além de poder provocar manchas pigmentadas nos lábios e parte interna das bochechas. E a síndrome de Li-Fraumeni com o câncer de mama, sarcomas (ósseos e de partes moles), cérebro e carcinoma adrenocortical na infância.
 

O Dr. Carlos orienta que um resultado positivo não significa que a pessoa irá, necessariamente, desenvolver algum tipo de câncer. “Na maioria das vezes, o exame apenas indica um risco aumentado, o que auxilia o paciente a compreender sua situação e inspira uma rotina de cuidados mais regrada. Por outro lado, um negativo também não equivale a uma certeza de não apresentar a doença, já que a maioria dos casos de câncer não é hereditário. Por isso, a recomendação é manter-se sempre atento quando o assunto é a sua saúde”, finaliza o oncologista.
 

Sobre a Oncoclínicas&Co 
 

A Oncoclínicas – maior grupo dedicado ao tratamento do câncer na América Latina – tem um modelo especializado e inovador focado em toda a jornada do tratamento oncológico, aliando eficiência operacional, atendimento humanizado e especialização, por meio de um corpo clínico composto por mais de 2.600 médicos especialistas com ênfase em oncologia. Com a missão de democratizar o tratamento oncológico no país, oferece um sistema completo de atuação composto por clínicas ambulatoriais integradas a cancer centers de alta complexidade. Atualmente possui 135 unidades em 35 cidades brasileiras, permitindo acesso ao tratamento oncológico em todas as regiões que atua, com padrão de qualidade dos melhores centros de referência mundiais no tratamento do câncer. 

Com tecnologia, medicina de precisão e genômica, a Oncoclínicas traz resultados efetivos e acesso ao tratamento oncológico, realizando mais de 595 mil tratamentos nos últimos 12 meses. É parceira exclusiva no Brasil do Dana-Farber Cancer Institute, afiliado à Faculdade de Medicina de Harvard, um dos mais reconhecidos centros de pesquisa e tratamento de câncer no mundo. Possui a Boston Lighthouse Innovation, empresa especializada em bioinformática, sediada em Cambridge, Estados Unidos, e participação societária na MedSir, empresa espanhola dedicada ao desenvolvimento e gestão de ensaios clínicos para pesquisas independentes sobre o câncer. A companhia também desenvolve projetos em colaboração com o Weizmann Institute of Science, em Israel, uma das mais prestigiadas instituições multidisciplinares de ciência e de pesquisa do mundo, tendo Bruno Ferrari, fundador e CEO da Oncoclínicas, como membro de seu board internacional. 

Para mais informações, acesse Link 

Conheça nossos Parceiros

Mais Notícias
Pular para o conteúdo