Glaucoma: conheça a condição considerada a maior causa de cegueira irreversível do mundo

Glaucoma: conheça a condição considerada a maior causa de cegueira irreversível do mundo

Oftalmologista da Hapvida NotreDame Intermédica alerta para os riscos da doença.

A Organização Mundial da Saúde (OMS) aponta que o glaucoma afeta entre 1% e 2% da população mundial com mais de 40 anos de idade, o que representa cerca de três milhões de pessoas, e é considerada a maior causa de cegueira irreversível no mundo. Por isso a importância do acompanhamento oftalmológico adequado como forma de diagnosticar e tratar precocemente a doença.

“No glaucoma, o aumento da pressão ocular afeta fundamentalmente o nervo óptico, provocando a morte das fibras nervosas e provocando uma perda irreversível da visão. Há alguns fatores de risco para o desenvolvimento da doença, como hereditariedade, traumas oculares, atividades que possam aumentar a pressão intraocular, pessoas acima de 40 anos e sedentarismo. A realização de exames regulares é fundamental”, explica o oftalmologista da Hapvida NotreDame Intermédica, Antônio Jordão.

Sintomas

No início, o glaucoma pode não apresentar sintomas significativos, por isso a importância do acompanhamento oftalmológico regular. Na fase aguda, o paciente com glaucoma pode apresentar visão embaçada, perda gradual da visão lateral, sensibilidade à luz, dores na testa, náuseas, vômitos e olhos vermelhos e inchados.

Foto: Divulgação

“Pelo menos uma vez ao ano é necessário ir ao oftalmologista para a prevenção de doenças oculares. Caso ocorra a manifestação de algum sintoma, esse tempo deve ser reduzido para o devido tratamento. No caso do glaucoma, por ser uma doença crônica e sem cura, o acompanhamento adequado irá impedir o avanço da doença, o que evitará a perda da visão”, destaca Antônio.

Tipos de glaucoma

Segundo o especialista, há dois tipos de glaucoma: o agudo e o crônico. “No glaucoma agudo, também chamado de ângulo fechado, a pressão sobe subitamente a valores muito altos e provoca muita dor no olho, levando, via de regra, o paciente a buscar serviços de emergência. Já no glaucoma crônico simples, também chamado de ângulo aberto, a pressão sobe a valores que não provocam dor, mas podem afetar o nervo óptico e evoluir por muito tempo até que seja diagnosticado pelo exame de pressão ocular e da campimetria visual”, destaca Jordão.

De acordo com o oftalmologista, o tratamento do glaucoma consiste no uso de medicações, geralmente colírios, para reduzir a pressão. “A depender da resposta do paciente, podem ser aplicados outros métodos como laser ou até cirurgias, cujo objetivo será sempre a redução da pressão ocular”, finaliza.

Conheça nossos Parceiros

Mais Notícias
Pular para o conteúdo