Crianças: estudem a Amazônia

Crianças: estudem a Amazônia

*José Renato Nalini é Reitor da UNIREGISTRAL, docente da Pós-graduação da UNINOVE e Presidente da ACADEMIA PAULISTA DE LETRAS – 2021-2022.

Se a humanidade tiver futuro, depois da insensatez da minha geração, que aceita a destruição do único habitat disponível, o julgamento em relação aos rústicos atuais será muito severo. Inteiramente compreensível. Como extirpar o futuro, de forma insana e inclemente?

A derradeira esperança está nas crianças e nos jovens, mais sensíveis e capazes de enxergar o crime de lesa humanidade que está sendo flagrantemente perpetrado neste Brasil que já foi abençoado.

Há um resíduo de lucidez nesta nação. Apequenado e aparentemente impotente diante do descalabro do governo e do parlamento. Mas a rede Uma Concertação pela Amazônia, em conjunto com os Institutos Reúna e Iungo, criou o programa “Itinerários Amazônicos”. 

O projeto propõe que estudantes aprofundem a aprendizagem sobre a região Amazônica, não com o “decoreba” dos afluentes, mas conhecendo seus povos, suas histórias, o que fazem, como vivem, qual o futuro dessa última grande floresta tropical, covardemente destinada a se converter num deserto. 

A educação brasileira desistiu de formar uma cidadania crítica e atuante, para fazer o educando memorizar informações que ele consegue com um “clique” num mobile, de imediato, mais atualizada, colorida e musical, muito mais interessante do que algumas aulas prelecionais ultrapassadas. 

Se os jovens brasileiros conhecerem melhor a Amazônia, se indignarão com o que se faz ali, anistiando grileiros, ocupantes clandestinos violentos de terras públicas, fechando os olhos para a criminalidade organizada que mata indígenas e ambientalistas e explora minerais preciosos. 

Boa notícia para este Brasil tão necessitado delas. Os moços serão convidados e estimulados a fazer pesquisa, construir intervenções socioculturais no contexto da Amazônia. Tudo muito mais dinâmico, vivo e sedutor do que a mera leitura de livros ou a oitiva de palestras. 

É disso que o povo precisa: motivo para se orgulhar de sua terra. E defendê-la contra falsos profetas, que se valem dos cargos para finalidades inteiramente divorciadas do bem comum. 

Conheça nossos Parceiros

Mais Notícias
Pular para o conteúdo