Campanha Agosto Dourado reforça importância do aleitamento materno

Campanha Agosto Dourado reforça importância do aleitamento materno

Pediatra explica benefícios para as mães e os bebês

Um ato de amor, conexão e cheio de benefícios para a saúde da mãe e da criança. Assim pode ser traduzido o aleitamento materno, uma prática fundamental para sobrevivência, proteção e desenvolvimento do recém-nascido, que neste mês ganha uma campanha de incentivo conhecida como Agosto Dourado.
 

“O aleitamento materno é, sem dúvida, uma prática fundamental para a saúde do ser humano e traz benefícios tanto para a mãe como para o bebê, perdurando até a vida adulta, reduzindo risco de muitas doenças”, reforça o neonatologista e pediatra da Hapvida NotreDame Intermédica, Maiton Fredson.
 

Segundo o médico, é importante que o aleitamento materno se estabeleça logo no primeiro minuto de vida e, assim, promova uma segurança maior para o bebê por estar próximo de sua mãe.
 

“Defendo a importância de um parto humanizado, que permita que a mãe tenha contato com o seu bebê durante toda a primeira hora pós-nascimento. Essa prática garantirá uma maior probabilidade de aleitamento materno exclusivo durante os seis primeiros meses, assim como um prolongamento desse aleitamento materno por mais de dois anos”, explica Fredson.
 

Para o bebê, o aleitamento ajuda a melhorar a resistência e evita infecções respiratórias, reduz riscos de alergias e doenças crônicas não transmissíveis, como hipertensão, obesidade e dislipidemia. Além disso, de acordo com o médico, há evidências científicas que comprovam a contribuição no desenvolvimento cognitivo e emocional da criança.
 

“Para a mãe, o aleitamento promoverá uma perda do peso ganho durante a gravidez de modo mais rápido, além de uma reacomodação mais adequada do útero durante o puerpério e uma significativa redução do risco de câncer de mama no futuro”, revela o pediatra.
 

Ainda segundo o profissional, apoiar o aleitamento materno é garantir a saúde de toda uma geração futura.
 

Alimento único
 

A Organização Mundial da Saúde (OMS) recomenda que os bebês sejam alimentados exclusivamente com leite materno até os seis meses de idade, não necessitando o consumo de chá, sucos ou água, inclusive em locais muito quentes.
 

O incentivo à amamentação pela OMS continua mesmo após a introdução dos primeiros alimentos sólidos, até, pelo menos, os 2 anos de idade.
 

De acordo com o Ministério da Saúde, atualmente a amamentação exclusiva chega aos 46%, percentual próximo aos 50% que a OMS estipulou como meta a ser atingida pelos países até 2025. Além disso, seis em cada dez (60%) crianças são amamentadas até completar os 2 anos de idade.

Conheça nossos Parceiros

Mais Notícias
Montôt lança estúdio conceito de arquitetura corporativa em Ribeirão Preto

Novo espaço inaugurado no Alto da Boa Vista oferece uma abordagem inovadora, transformando o showroom em um ambiente de trabalho e experimentação que integra experiência e funcionalidade. Com soluções utilitárias e parcerias estratégicas com marcas brasileiras como a Legg (mobiliários) e a Everlight (iluminação), estúdio revoluciona o conceito de design de interiores e arquitetura corporativa na cidade.

Pular para o conteúdo