Cravinhos, 23 de Novembro de 2017
ÚLTIMAS NOTÍCIAS:
Notícia
Todos contra a Hanseníase
14/11/2017

COMENTANDO - Welson Gasparini*

 


Ao receber, em meu escritório regional de Ribeirão Preto, a visita da médica Helena Lugão (da Sociedade Brasileira de Hansenologia), acompanhada pela publicitária Blanche Amâncio e pela empresaria Sandra Souza –aderi, de peito aberto, tão logo me convenci da nobreza dos seus objetivos, à campanha “Todos Contra a Hanseníase”, comprometendo-me a divulga-la através de artigos e pronunciamentos, bem como buscar o apoio dos demais parlamentares e do próprio governo do Estado. Fiquei, confesso, sinceramente impressionado com os dados que me foram apresentados pelas visitantes mostrando o Brasil como o segundo país do mundo no ranking mundial da hanseníase (atrás apenas da Índia) com cerca de 30 mil novos casos sendo notificados a cada ano – número semelhante à notificação de novos casos de HIV/AIDS. Conhecida desde os tempos bíblicos como “lepra” a hanseníase – transmitida através do contato físico – é facilmente tratável e curável. Conforme me explicou, em carta, o professor doutor Marco Andrey Cipriani Frade (presidente da Sociedade Brasileira de Hansenologia), justificando sua ausência naquela reunião por estar participando de evento do SUS no Piauí, “temos condições de extinguir a doença e dar condição de vida melhor à nossa população e uma das principais armas contra a Hanseníase é a informação. A população precisa conhecer informações básicas para buscar atendimento médico e acabar com o preconceito contra doentes”.
Louvei a iniciativa dessa campanha – expressa em folheto produzido pela própria SBH - tratando tema tão complexo de forma lúdica e educativa, já contando com o apoio da mídia televisiva na divulgação dentro de um objetivo maior: mostrar a hanseníase como uma doença não hereditária, causada por um bacilo e sua transmissão acontece de pessoas doentes para pessoas saudáveis (através da tosse, do espirro, da fala etc) ; o tratamento é simples e gratuito com os medicamentos – por via oral - sendo distribuídos pela rede pública.
Nos últimos 11 anos – eis outro dado interessante - a média de casos de hanseníase chegou a 38.584/ano enquanto os de HIV/AIDS aproximaram-se dos 39.000 casos/ano. Atualmente, o coeficiente de detecção de casos novos de hanseníase no Brasil é de 15,32, considerada alta endemia ainda. Outro dado relevante é o número de casos em menores de 15 anos, o que indica contato muito recente na vida da criança ao bacilo da hanseníase, provavelmente na família ou no ambiente escolar. Entre 2004 e 2014, a média de casos em crianças foi de 2.915, isto é, aproximadamente 7,6% dos casos diagnosticados por ano. Considerando que se trata de uma doença incapacitante por acometer os nervos periféricos, sua transmissão principal se dá de pessoa doente para pessoa saudável e a média do percentual de avaliação dos comunicantes dos pacientes (familiares) gira em torno de 58%, não fica difícil inferir o quanto temos ainda de caminhar para alcançar o controle da doença no país.
Uma das frases mais ouvidos pela jornalista Blanche Amâncio, em seu trabalho de assessoria de comunicação para a Sociedade Brasileira de Hansenologia, é “só o conceito destrói o preconceito”. Daí a importância de somar conhecimento e força, unindo-se as unidades de Saúde e as Escolas na divulgação de conceitos capazes de eliminar os preconceitos e criar-se, assim, a consciência de que é possível, sim, eliminar a incidência da hanseníase no Brasil.

 

*Deputado estadual (PSDB), advogado e ex-prefeito de Ribeirão Preto
 

updown
Web by Parceria Online - 2011 - 2017 Todos os direitos reservados
Francisco José Cavalcanti da Silva - Diretor e Proprietário
Kátia Cavalcanti - Administrativo e Financeiro
Leandro Cavalcanti - Jornalista Responsável
Jamila Grecco - Jornalista
Fale Conosco: contato@atribunaregional.com.br
Endereço: Rua Cristiano Barreto, 327
CEP: 14140-000 - Cravinhos - SP
Telefone/Fax: (16) 3951.2228